pesa-nervos


Dois poemas de 1960 (Carlos de Oliveira)

Vento

 

As palavras

cintilam

na floresta do sono

e o seu rumor

de corças perseguidas

ágil e esquivo

como o vento

fala de amor

e solidão:

quem vos ferir

não fere em vão,

palavras.

 

 

Bolor

 

Os versos

que te digam

a pobreza que somos

o bolor

nas paredes

deste quarto deserto

os rostos a apagar-se

no frêmito

do espelho

e o leito desmanchado

o peito aberto

a que chamaste amor.

 



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 14h20
[   ] [ envie esta mensagem ]




O trabalho poético de Carlos de Oliveira

 

Carlos de Oliveira (1921-1981) nasceu no Brasil, filho de portugueses, voltando a Portugal com apenas dois anos de idade. Publicou seu primeiro livro de poesia em 1942 e foi sob o ideário do Neo-Realismo português que começou a produzir romances e poemas: a escrita literária era instrumento sobretudo de intervenção social. Com a passagem do tempo, entretanto, a palavra, em sua obra, foi se impondo como realidade primeira e mais necessária. Em relação a isso, seu livro Cantata, de 1960, é o local de virada: nele a contenção imagética e a concentração rítmica dominam e a metalinguagem torna-se prática recorrente. Mas isso não significa dizer que Carlos de Oliveira, a partir de então, rejeita as questões neo-realistas. Em verdade, o escritor as desenvolve e as reelabora, tanto que retorna às obras das décadas de 40 e 50 para reescrevê-las, suprimindo o excesso de linguagem: “correcções, rasuras, acrescentos, são o meu forte (e o meu fraco)” dizia.

            Sua poesia é o espaço de discussão da mímesis, das possibilidades da linguagem: freqüente tenção entre ficção e real. A natureza afeta a escrita, contaminando-a, transformando-a em paisagem. Paisagem esta que também é a Gândara, região arenosa de Portugal onde o poeta cresceu. Assim, marcas desse espaço como cal, duna e estalactite habitam seus versos, construindo por dentro uma poesia áspera que encena horizontes geográficos e lingüísticos. Rever essa paisagem portanto é encontrar na memória um vetor lírico – subjetividade que o poema trabalha a favor e contra o tempo, tornando-se, dessa forma, uma ação de permanência do homem e das palavras no mundo:

 

“Só o osso, o que em nós é duro, resistente, dá algum sentido (muito relativo) a palavras como eternidade, alma, tempo. Não há outra metafísica possível senão essa. Acredita. A do osso, a do cálcio”.

 

Toda sua obra poética está reunida no pequeno volume Trabalho poético, ainda inédito em terras brasileiras.



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 11h02
[   ] [ envie esta mensagem ]




da série Uma canção só, por Franklin Alves

 

Algo que perturba, ressoa. Talvez uma arte poética. Uma canção só. Uma página que sempre lemos, a que sempre voltamos. A página da semana é a de número 63 do livro Torquato Neto, Os Últimos Dias de Paupéria (Do Lado De Dentro), edição de 1982, da Max Limonad, lá lemos o seguinte:

 

Pessoal intransferível

 

Escute, meu chapa: um poeta não se faz com versos. É o risco, é estar sempre a perigo sem medo, é inventar o perigo e estar sempre recriando dificuldades pelo menos maiores, é destruir a linguagem e explodir com ela. Nada nos bolsos e nas mãos. Sabendo: perigoso, divino, maravilhoso.

Poetar é simples, como dois e dois são quatro sei que a vida vale a pena etc. Difícil é não correr com os versos debaixo do braço. Difícil é não cortar o cabelo quando a barra pesa. Difícil, pra quem não é poeta, é não trair a sua poesia, que, pensando bem, não é nada, se você está sempre pronto a temer tudo; menos o ridículo de declamar versinhos sorridentes. E sair por aí, ainda por cima sorridente mestre de cerimônias, “herdeiro” da poesia dos que levaram a coisa até o fim e continuam levando, graças a Deus.

E fique sabendo: quem não se arrisca não pode berrar. Citação: leve um homem e um boi ao matadouro. O que berrar mais na hora do perigo é o homem, nem que seja o boi. Adeusão. (14/91971 – 3a feira)

 



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 11h50
[   ] [ envie esta mensagem ]




 

A POESIA AZUL DE FERNANDO KOPROSKI

 

O poeta atual – devido aos alicerces que fundamentam a poesia de hoje – está quase sempre em uma profunda oscilação entre o caráter dionisíaco e o apolíneo em sua arte. São raros os casos de convivência pacífica entre estes dois extremos. Coloco aqui o apolíneo como sendo a propensão a uma forma “enxuta” à moda cabralina no poema, e, vejo como dionisíaca o acento maior para o conteúdo. Ou seja, para um bom projeto literário é necessário que estas duas forças, as de forma e conteúdo, apolíneo e dionisíaco, estejam lado a lado em uma peça literária; e que elas participem em uma igualdade de força e tensão: proporcionando assim uma estética de completude na escrita de um autor.

 

O poeta vive na corda bamba. Se ele for excessivamente forma corre o risco de se perder sem conteúdo e se for o oposto, a forma pode ficar prejudicada e o poema embarcar pelos caminhos de uma poesia tíbia: onde a estrutura não possui uma tensão que a peça deve ter. Afinal não são mais tempos de uma escrita grandiloquente em que o poeta se adula de metáforas e linguagem conotativa. Então se faz necessário uma pergunta: como equilibrar a forma e o conteúdo numa poética? Como estar em patamares aceitáveis os níveis de apolíneo e dionisíaco na arte de escrever versos?

Rodrigo de Souza Leão

                                                           Continua em http://www.germinaliteratura.com.br

 



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 09h38
[   ] [ envie esta mensagem ]




para Dante Júlio

 

 

Um corvo de remota idade e fatigado brilho

vem morrer à beira-mar.

 

Aguarda         atento

que a luz propícia desça no horizonte

para entregar-lhe a força derradeira

numa surtida de acerada angústia.

 

Descaem-lhe do dorso opaco e magro

as digitais membranas:

acumulam detritos de excremento branco.

 

Sobe-lhe à tona o olhar          antes profundo

a vomitar o fluido da ansiedade.

 

Projecta-se disperso à contra-luz.

Reduz-lhe o contorno             ardendo ao sol poente.

Entra no sonho às cegas           ganha altura

e tomba leve e negro no areal fictício.

 

Breves segundos mais

para que o vento alcance a história curta.

 

Depois renasce em escamas de carvão.

 

Ruy Duarte de Carvalho nasceu em Portugal no ano de 1941, mas naturalizou-se angolano em 1963. É antropólogo e cineasta. Como poeta estréia em 1972 com o livro Chão de Oferta. Sua produção poética é praticamente inédita no Brasil, salvo alguns poemas publicados na antologia Poesia Africana de Língua Portuguesa (2003). Este poema é do livro Exercícios de Crueldade (1978).



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 11h47
[   ] [ envie esta mensagem ]




Marianne Moore

 

 

Arthur Mitchell

 

Slim dragonfly

too rapid for the eye

to cage –

contagious gem of virtuosity –

make visible, mentality.

Your jewels of mobility

 

reveal

and veil

a peacock-tail.

 

 

 

Arthur Mitchell

 

Pequena libélula

tão rápida que a vista

nem pega –

pérola infectada de virtuosidade –

deixe-se ser visão, mentalidade.

Suas jóias de tanta agilidade

 

revelam

e velam

a cauda do pavão.

 

Tradução de Leonardo Gandolfi



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 11h45
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
  02/04/2006 a 08/04/2006
  26/03/2006 a 01/04/2006
  19/03/2006 a 25/03/2006
  12/03/2006 a 18/03/2006
  05/03/2006 a 11/03/2006
  26/02/2006 a 04/03/2006
  19/02/2006 a 25/02/2006
  12/02/2006 a 18/02/2006
  05/02/2006 a 11/02/2006
  29/01/2006 a 04/02/2006
  22/01/2006 a 28/01/2006
  15/01/2006 a 21/01/2006
  08/01/2006 a 14/01/2006
  01/01/2006 a 07/01/2006
  25/12/2005 a 31/12/2005
  18/12/2005 a 24/12/2005
  11/12/2005 a 17/12/2005
  04/12/2005 a 10/12/2005
  27/11/2005 a 03/12/2005
  20/11/2005 a 26/11/2005
  13/11/2005 a 19/11/2005
  06/11/2005 a 12/11/2005
  30/10/2005 a 05/11/2005
  23/10/2005 a 29/10/2005
  16/10/2005 a 22/10/2005
  09/10/2005 a 15/10/2005
  02/10/2005 a 08/10/2005
  25/09/2005 a 01/10/2005
  18/09/2005 a 24/09/2005
  11/09/2005 a 17/09/2005
  04/09/2005 a 10/09/2005
  28/08/2005 a 03/09/2005
  21/08/2005 a 27/08/2005
  14/08/2005 a 20/08/2005
  07/08/2005 a 13/08/2005
  31/07/2005 a 06/08/2005
  24/07/2005 a 30/07/2005
  17/07/2005 a 23/07/2005
  10/07/2005 a 16/07/2005
  03/07/2005 a 09/07/2005
  26/06/2005 a 02/07/2005
  19/06/2005 a 25/06/2005
  12/06/2005 a 18/06/2005
  05/06/2005 a 11/06/2005
  29/05/2005 a 04/06/2005
  22/05/2005 a 28/05/2005
  15/05/2005 a 21/05/2005
  08/05/2005 a 14/05/2005
  01/05/2005 a 07/05/2005
  24/04/2005 a 30/04/2005
  17/04/2005 a 23/04/2005


Votação
  Dê uma nota para meu blog