pesa-nervos


3

 

límpido instante

quando a mão mínima

recolheu para si

à incorrigível queda

ao chão do papel em branco

a ranhura que este jamais sofrerá

 

 

 

 

Pablo Araújo, 1981, é carioca.



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 12h09
[   ] [ envie esta mensagem ]




Por que fazer poesia hoje?

 

Qual é o sentido de escrever poemas em uma época e cultura que valorizam os bens de consumo, a cultura de massa, o mercado e a tecnologia, menosprezando os valores espirituais e a expressão artística?

Para que escrever poemas numa sociedade que vive uma profunda crise de valores, distante de qualquer idéia de humanismo?

A primeira resposta poderia ser muito simples: por teimosia, como resistência à barbárie. Porém, este não seria um argumento satisfatório, já que existem outras possibilidades, talvez mais eficazes, de reação, inseridos em movimentos sociais e tentativas de reconstrução de valores, como o recente diálogo entre a física, a ecologia profunda, o pacifismo e o budismo, que fazem pensar numa reordenação do pensamento, em resposta ao crescente utilitarismo de uma visão de mundo baseada no lucro e na vantagem pessoal imediata.

A segunda resposta, ainda mais simplista, porém com o mérito da sinceridade, é o da satisfação sensorial, o encantamento e prazer que a poesia nos provoca. Aqui, novamente, poderia ser levantada uma objeção, pois que há muitas outras formas de satisfação, talvez mais intensas do que o trabalho com a palavra, que exige alto rigor e disciplina.

Para mim, escrever poemas já uma necessidade pessoal, uma escolha de vida, talvez uma tentativa de sobreviver à loucura, mas que não se resume apenas a expressar um mundo interior, de comunicar idéias ou sensações, mas também de construir, pela palavra, uma estrutura, uma lógica, um processo de relações entre significados que ao mesmo tempo satisfazem o eros e colaboram no esforço de se repensar valores.

A poesia não se contenta em ser porta-voz de uma visão de mundo; cada poema é um organismo intricado, uma biosfera com sua própria fauna e flora, como dizia Huidobro; um sonho planejado, com sintaxe e morfologia próprias, que obedecem a uma outra lógica, que não é a do discurso linear. Criar um poema, para mim, é  trouver une langue (Rimbaud), mas também trouver une pensée:      palavra, idéia e grafia objetivados na escultura semântica.


Por Claudio Daniel – http://peledelontra.zip.net



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 11h16
[   ] [ envie esta mensagem ]




Outro poema de Ruy Duarte de Carvalho 

 

Os vulcões são animais geológicos.

As tartarugas são geologias animadas.

A unidade de tempo adequada aos vulcões

pode exceder milhares de anos.

A tartaruga excede as unidades.

Aquele dá-lhe a vida a dimensão.

A esta a morte.

 

Ser tartaruga é ser sem ter defesa:

                                         a vida e a morte

                                         nela

                                         são ambas sem limite.

 

Um corpo é rijo, quer durar para sempre. E todavia

é exposto a qualquer morte.

Na tartaruga

muito claramente

um ser interno

e um corpo que lhe é estranho.

Por dentro é tudo feito para durar.

Sujeita ao mundo a criatura é exposta

E dir-se-ia que não é assim:

                                        a casa, a protecção

                                        a carapaça, a pedra.

 

Nos mares do sul a tartaruga vem

todos os anos desovar às praias.

Os habitantes, que são homens nus,

herdaram disso uma perfeita ideia.

Por isso esperam, sentados nos ciclos,

que a tartaruga os venha confirmar.

 

Basta cumprir depois uma agressão sem história.

  

(de Exercícios de crueldade – 1978)



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 12h20
[   ] [ envie esta mensagem ]




da série Uma canção só, por Franklin Alves

 

Algo que perturba, ressoa. Talvez uma arte poética. Uma canção só. Uma página que sempre lemos, a que sempre voltamos. Uma página riscada, sublinhada. A página da semana é a de número 33 do livro Cinco ensaios sobre poesia de Mário Faustino, edição de 1964, comprada num sebo por apenas três reais, das Edições GRD. Nesta página lemos:

 

“Vejamos: a poesia é instrumento de realização existencial do próprio poeta, que, através dela se organiza, se afirma e se harmoniza com o universo; a poesia age sobre o leitor ou ouvinte, individualmente considerado, ensinando-o (comunicando-lhe a experiência do poeta), deleitando-o (comunicando-lhe a satisfação de permanecer vivo a alegria imanente de toda coisa bela) e comovendo-o (comunicando-lhe o sentimento da importância de viver, e provocando-lhe aquela catarse característica de quem experimenta uma obra-prima). A poesia age sobre a sociedade na qual se manifesta, testemunhando e criticando (no sentido profundo) uma parte da humanidade ou toda a humanidade de uma certa época, estimulando e provocando essa humanidade a transformar-se, criando utopias e alimentando ideologias e, finalmente, tornando sua língua mais apta e por isso mais bela".





Escrito por Leão Alves Gandolfi às 18h19
[   ] [ envie esta mensagem ]




Zunái já está no ar

 

ZUNÁI, Revista de Poesia e Debates, publica em sua sexta edição uma entrevista com o poeta peruano Reynaldo Jiménez, um dos expoentes do neobarroco na América Latina, e uma pequena mostra de sua poesia, com traduções de Claudio Daniel. A revista, que incentiva o diálogo entre os autores de língua espanhola e portuguesa, apresenta também poemas do uruguaio Victor Sosa, do chileno Raul Zurita, do mexicano Antonio Ochoa e de brasileiros como Manoel de Barros, Torquato Neto e Antônio Moura. No link de matérias especiais, Zunái traz um instigante ensaio de Rodrigo Garcia Lopes sobre a crítica literária, e na página dedicada aos debates, reúne seis poetas para a discussão do conceito de "angústia da influência" de Harold Bloom. No campo da tradução criativa, a revista faz uma pequena viagem pelo espaço-tempo, trazendo poemas de Matsuo Bashô, Giuseppe Ungaretti, Archibald Macleish, Robert Creeley, David Huerta e Marianne Moore. Em Galeria, o destaque é para o artista plástico cubano Juan Gualberto Ibáñez.

ZUNÁI, Revista de Poesia e Debates (http://www.revistazunai.com.br)

 



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 17h33
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
  02/04/2006 a 08/04/2006
  26/03/2006 a 01/04/2006
  19/03/2006 a 25/03/2006
  12/03/2006 a 18/03/2006
  05/03/2006 a 11/03/2006
  26/02/2006 a 04/03/2006
  19/02/2006 a 25/02/2006
  12/02/2006 a 18/02/2006
  05/02/2006 a 11/02/2006
  29/01/2006 a 04/02/2006
  22/01/2006 a 28/01/2006
  15/01/2006 a 21/01/2006
  08/01/2006 a 14/01/2006
  01/01/2006 a 07/01/2006
  25/12/2005 a 31/12/2005
  18/12/2005 a 24/12/2005
  11/12/2005 a 17/12/2005
  04/12/2005 a 10/12/2005
  27/11/2005 a 03/12/2005
  20/11/2005 a 26/11/2005
  13/11/2005 a 19/11/2005
  06/11/2005 a 12/11/2005
  30/10/2005 a 05/11/2005
  23/10/2005 a 29/10/2005
  16/10/2005 a 22/10/2005
  09/10/2005 a 15/10/2005
  02/10/2005 a 08/10/2005
  25/09/2005 a 01/10/2005
  18/09/2005 a 24/09/2005
  11/09/2005 a 17/09/2005
  04/09/2005 a 10/09/2005
  28/08/2005 a 03/09/2005
  21/08/2005 a 27/08/2005
  14/08/2005 a 20/08/2005
  07/08/2005 a 13/08/2005
  31/07/2005 a 06/08/2005
  24/07/2005 a 30/07/2005
  17/07/2005 a 23/07/2005
  10/07/2005 a 16/07/2005
  03/07/2005 a 09/07/2005
  26/06/2005 a 02/07/2005
  19/06/2005 a 25/06/2005
  12/06/2005 a 18/06/2005
  05/06/2005 a 11/06/2005
  29/05/2005 a 04/06/2005
  22/05/2005 a 28/05/2005
  15/05/2005 a 21/05/2005
  08/05/2005 a 14/05/2005
  01/05/2005 a 07/05/2005
  24/04/2005 a 30/04/2005
  17/04/2005 a 23/04/2005


Votação
  Dê uma nota para meu blog