pesa-nervos


Margem de manobra – de Claudia Roquette-Pinto

 

 

Eu me cubro com o A da palavra farpada

eu me cubro com o A que traslada

(e a memória é a ignição de uma idéia

sobre dunas de pólvora).

 

Eu me deito na décima-terceira casa,

eu me deito sobre a letra de mãos dadas

M: escondo entre escombros

o sentimento que sobra.

 

Isto, sim, me comove,

o anel, quando soa

e o engloba, envelopa,

 – letra O, de vertigem e pó,

que soçobra

 

Eis o despenhadeiro,

gargalo da fera,

eis o R que trai, apunhala,

desterra – eis o último tiro

sem margem de manobra.

 

 

[do recém-publicado Margem de Manobra, publicado pela editora Aeroplano, 2005.]



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 15h04
[   ] [ envie esta mensagem ]




Quando ouvi o astrônomo erudito – de Walt Whitman

 

 

Quando ouvi o astrônomo erudito,

Quando as provas, os números foram enfileirados diante

                    de mim,

Quando me foram mostrados os mapas e diagramas a somar, dividir e medir,

Quando, sentado, ouvia o astrônomo muito aplaudido, na

                    sala de conferências,

Senti-me logo inexplicavelmente cansado e enfermo,

Até que me levantei e saí, parecendo sem rumo

No ar úmido e místico da noite, e repetidas vezes

Olhei em perfeito silêncio para as estrelas.

 

 

[do livro Antologia da nova poesia norte-americana, publicado em 1992, com seleção, tradução e notas de Jorge Wanderley].



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 16h37
[   ] [ envie esta mensagem ]




Poema de Mário Faustino

(O homem & sua hora e outros poemas, Cia. das letras, pg 132-133)

 

 

– Inês, Inês, quem sobrevive, quem,

 

nos filhos que fabrica?

 

ut – re – mi – tílias ao vento soltas sussurrando –

 

– Lídia, a geração dos homens, folhas, folhas,

 

há-de passar na brisa:

 

Hino ouvido entre neves:

 

ulti... multi ... venturas, aventuras,

 

vento ululando, vento urrando – vê,

 

multidões precipitam-se:

 

“till death doth us part”: até que a Morte, a Idade,

 

Idade no separe: gerações, orações, berrações,

 

oh in – ut – ilidade, Inês, quem vive,

 

sobre que filhos, sobre que folhas?

 

Ouve, repara, ávida Lídia, os sinos,

 

os fabricados sinos se partiram,

 

os generados filhos se quebraram,

 

todos falhamos, tudo,

 

ai todos farfalhamos, sinos, folhas:

 

As fabulosas naves passam prenhes.

 

Os fenecidos anos voltam secos.

 

Degenerados, regenerados?

 

Inês, Lídia – passamos.



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 17h44
[   ] [ envie esta mensagem ]




Canções para Drella – por Virna Teixeira

Por volta de 1965, Andy Warhol andava à procura de uma banda em Nova Iorque para um clube noturno que ele queria começar, algo que fosse diferente do estilo “flower power” que dominava na época. Assistiu a um concerto do Velvet Underground e gostou imediatamente da música e da atitude da banda: vestiam-se de preto, usavam óculos escuros (para evitar a visão da platéia) e o conteúdo das suas letras deixava as pessoas desconfortáveis. Um encontro perfeito entre a arte de Warhol, as letras do líder-cantor Lou Reed e a musicalidade do britânico John Cale. Warhol ficou ainda fascinado por Lou Reed, um jovem nascido em uma família conservadora do Brooklyn, que tinha recebido sessões de eletrochoque para controlar suas oscilações de humor e tendências homossexuais.

A banda se apresentava no atelier perfomático de Andy Warhol, o Factory. Foi dele a idéia de convidar a bela e estranha Nico para vocalista no lugar de Lou Reed. Não foi apenas uma obsessão estética, mas começaram enfim a surgir problemas. O Velvet Underground gravou álbuns extremamente originais, influenciou diversas bandas que viriam depois, o movimento punk inclusive e foi um grande sucesso. Porém, geniais e instáveis, surgiram vários atritos. O Velvet era conhecido como “amphetamine band”, o consumo de substâncias era alto e Lou Reed, hoje um dependente recuperado de anfetamina (e heroína), ficou paranóico sob o efeito da droga, o que também gerou vários desentendimentos. John Cale saiu primeiro da banda, depois foi a vez de Lou Reed em 1970. O Velvet Underground se dissolveu e os membros do grupo pararam de se falar.

Andy Warhol morreu precocemente em 1988 e Lou Reed e John Cale finalmente se renconciliaram no seu funeral. Deste encontro nasceu o desejo de uma homenagem para Warhol e o belo e melancólico álbum “Songs for Drella” lançado em 1990. Drella é um neologismo usado para celebrar a androginia de Andy Warhol, uma mistura de Drácula e Cinderela.  (CONTINUA)

 



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 16h31
[   ] [ envie esta mensagem ]




Espécie de biografia escrita por Lou Reed e musicada por Cale, as letras de “Songs for Drella” relembram a trajetória de Warhol, que começa com “Smalltown”, os preconceitos sofridos por ele na infância em Pittsburgh, um garoto sensível filho de imigrantes: When you're growing up in a small town/ Bad skin, bad eyes, gay and fatty/ People look at you funny/ When you're in a small town.

Depois segue-se “Open house”, sobre as portas abertas da casa-atelier de Warhol, que recebia todo o underground de Nova Iorque. Seu espírito de grupo em “Faces and names”. Sua arte em “Images”, “Trouble with classicists” e “Work”. A descoberta da importância do dinheiro no meio artístico em “Style it takes”: You’ve got the money, I’ve got the time/ You want your freedom, make your freedom mine.  Sua natureza existencialista em “It wasn’t me”. Suas reflexões em “Nobody but you”. Sua tranformação em “Forever changed” e o episódio Valerie Solanis em “I believe”.

E por fim, a belíssima “Hello it’s me”, espécie de carta, conversa e epitáfio escrito por Lou Reed para “Andy”. Trata de vários episódios de uma amizade profunda e difícil, de mágoas e ressentimentos: I have some resentments that can never be unmade. E sobretudo sobre a perda, a falta e a saudade: I really miss you, I really miss your mind/ I haven’t heard ideas like that for such a long long time.

Lou Reed é um sentimental, embora não pareça. No encarte do disco, ele faz um comentário sobre Warhol: “Chocolates were his weakness”. Drella teria adorado.



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 16h28
[   ] [ envie esta mensagem ]




Discoteca mágica do pesa-nervos, leonardo gandolfi

 

Nilsson Schmilsson – de Harry Nilson

 

Harry Nilsson é um daqueles músicos que talvez nunca tenhamos percebido bem. Sempre esteve ali com duas ou três músicas que sabemos dele e que, só por acaso, uma ou outra coletânea de qualquer coisa as inclui. Pois bem, o disco acima é um baú de preciosidades. Nilsson Schmilsson é de 1971 e possui canções que nunca ouvimos, mas que, sem saber onde ou como, conhecemos. O piano que abre a primeira música, Gotta get up, soa como se sempre estivesse conosco, mesmo nos dias de silêncio. The moonbeam song é de outro planeta. Without you, que todos conhecem, é a trilha sonora de muita coisa, muita mesma: desde comprar pão de tarde até de coisas que nem mesmo passaram e já sentimos saudade. Coconut, uma raridade, foi utilizada por Tarantino para fechar Cães de Aluguel: aquela cena em que Steve Buscemi, o mais ridículos dos ladrões, foge com todas as jóias do roubo. Meu Nilsson Schmilson não é original, é uma cópia a partir das músicas baixadas na internet pelo meu grande amigo Tiago Lyra. Não é original, mas soa como se fosse. Ele está lá no rádio do carro já há uns seis meses. Escrevo isso agora sem ouvi-lo. Ele está lá no carro esperando por mim e pelos engarrafamentos que eu pego toda manhã.

 

 



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 17h47
[   ] [ envie esta mensagem ]




Poema inédito de Carlos Augusto Lima

 

a flecha de

 

capricórnio raspa cabeças,

 

suave é a provocação

 

insetos esmigalham-se

 

contra janela, almíscar

 

cânfora jasmim, frascos

 

à venda. amor econômico,

 

matemático. estratagemas

 

de perdão, exorcizo de

 

viés maligno, visitas

 

assombrosas, frascos à venda.

 

almíscar cânfora jasmim

 

em conserva: repouso, conformação,

 

lacerações lacradas,

 

aroma artificial de menta, uma tocata

 

hóstias



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 18h05
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
  02/04/2006 a 08/04/2006
  26/03/2006 a 01/04/2006
  19/03/2006 a 25/03/2006
  12/03/2006 a 18/03/2006
  05/03/2006 a 11/03/2006
  26/02/2006 a 04/03/2006
  19/02/2006 a 25/02/2006
  12/02/2006 a 18/02/2006
  05/02/2006 a 11/02/2006
  29/01/2006 a 04/02/2006
  22/01/2006 a 28/01/2006
  15/01/2006 a 21/01/2006
  08/01/2006 a 14/01/2006
  01/01/2006 a 07/01/2006
  25/12/2005 a 31/12/2005
  18/12/2005 a 24/12/2005
  11/12/2005 a 17/12/2005
  04/12/2005 a 10/12/2005
  27/11/2005 a 03/12/2005
  20/11/2005 a 26/11/2005
  13/11/2005 a 19/11/2005
  06/11/2005 a 12/11/2005
  30/10/2005 a 05/11/2005
  23/10/2005 a 29/10/2005
  16/10/2005 a 22/10/2005
  09/10/2005 a 15/10/2005
  02/10/2005 a 08/10/2005
  25/09/2005 a 01/10/2005
  18/09/2005 a 24/09/2005
  11/09/2005 a 17/09/2005
  04/09/2005 a 10/09/2005
  28/08/2005 a 03/09/2005
  21/08/2005 a 27/08/2005
  14/08/2005 a 20/08/2005
  07/08/2005 a 13/08/2005
  31/07/2005 a 06/08/2005
  24/07/2005 a 30/07/2005
  17/07/2005 a 23/07/2005
  10/07/2005 a 16/07/2005
  03/07/2005 a 09/07/2005
  26/06/2005 a 02/07/2005
  19/06/2005 a 25/06/2005
  12/06/2005 a 18/06/2005
  05/06/2005 a 11/06/2005
  29/05/2005 a 04/06/2005
  22/05/2005 a 28/05/2005
  15/05/2005 a 21/05/2005
  08/05/2005 a 14/05/2005
  01/05/2005 a 07/05/2005
  24/04/2005 a 30/04/2005
  17/04/2005 a 23/04/2005


Votação
  Dê uma nota para meu blog