pesa-nervos


Poemas em inglês

 

 

2. Horácio Costa. Poeta contemporâneo sempre em trânsito geográfico. Proximidade, em especial, às culturas mexicana, portuguesa e norte-americana.

 

 

 

Song of the exile

Kennst du das Land wo die Citronen blühen?

Goethe

My land is three hours ahead by satellite.

Intelsat.

Every year it is burnt in my land

one germany, a country which has been

Wilhem II’s and Hitler’s.

In the ever transforming Nature,

carbon dioxide will bloom orchids

in the future forests of Greenland.

The smoke doesn’t prevent the connection.

Click.

Would the silicon birds be canorous,

the ones that repeat the same beep?

In my land no one answers the call.

The telephone rings in the open air

in the Esplanade of the Various State Departments.

It is assisted by three hieratic ornamental

palm trees. Alone in the canicule,

they preserve themselves for the next

auto-da-fé.

 

 

(Quadragésimo, 1996)

 



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 16h00
[   ] [ envie esta mensagem ]




Trecho de O último leitor, de David Toscana

[recém-publicado pela Casa da Palavra na coleção Palavra do mundo]

 

E ENTÃO AS FORMIGAS VERMELHAS e as baratas começaram a proliferar-se com especial ferocidade. […]. Lucio respeita as formigas pela sua vontade de criar seus próprios palácios; em compensação, detesta o oportunismo das baratas, que tomam de assalto qualquer tubulação, caverna, buraco, canal ou amontoado de livros. Mas esse mesmo desprezo o motiva a criá-las e alimentá-las no quarto ao lado, onde joga os livros censurados, pois considera que esse deve ser seu indigno fim. O fogo não lhe parece uma punição adequada; isso dá a um livro oco a utilidade de produzir calor, a notoriedade de se transformar em luz. O inferno deve ser alguma coisa que consuma lentamente, entre urina e goelas que pulverizem com tenacidade capas, orelhas, fotografias de autores e autoras, com a pose de intelectual de uns e o desejo de beleza de outras. Os bichos terão de regurgitar prêmios, conquistas e, sobretudo, elogios falsos, uma das maiores obras, mostra da enorme qualidade literária, um lugar privilegiado nas letras, pode ingressar no templo dos grandes escritores, sua obra ocupa um lugar de destaque e tantas outras tentativas de empurrar livros sem motor próprio. […] Lucio tem hoje outro livro para o inferno, outra mostra de formidável glosa espanhola, A verdade sobre os amantes, de Ricardo Andrade Berenguer, literato, crítico, jornalista, musicólogo e cineasta que considera mais importante o modo como o seu protagonista aproxima o cigarro do cinzeiro, as espirais de fumaça e o jazz ao fundo, que revelar de fato alguma verdade sobre os amantes. Aproxima-se da porta e abre a cortininha. Ouve as bocas dos insetos mordendo o papel.

 



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 16h06
[   ] [ envie esta mensagem ]




Poemas em inglês

 

Em posts passados falamos daqueles que mudam de idioma: Nabokov, Beckett, Brodsky e no âmbito da língua portuguesa autores como o chinês Yao Jingming e seus poemas; o italiano Antonio Tabuchi em uma novela: Réquiem; o argentino Aníbal Cristobo com um poema apenas (Samuel Rawet, parece, não entra na lista). Agora procuramos poetas de língua portuguesa que, em certo momento, escreveram em inglês, um leve, doce e às vezes estrangeiro inglês. As razões podem ser muitas, todas argumentáveis. Quem quiser que arrisque uma tradução. (L.G.)

 

1. José Albano. Ótimo poeta do início do séc.XX que, quando não foi Camões, foi Shakespeare.

 

II

When I look back on days that are no more

And think of hopes and dreams that now are dead,

To my sad soul, with sorrow surfeited,

Fain would I that past happiness restore.

And whilst the cruel Fates from these eye-lids red

Rush like swift rivers in a narrow bed

Or like tempestuous waves upon the shore.

Oh memory, why dost thou make me sigh

For what once gave me joy, but now gives pain,

Those fancies and illusions born to die?

My former state I can no more regain

And if I dreamt and hoped in times gone by,

Ne’er will I dream, alas! Or hope again.

 

(Four sonnets with Portuguese prose-translation, 1918)

 



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 16h02
[   ] [ envie esta mensagem ]




P.S.  poema escrito originalmente em português por Aníbal Cristobo

 

 

 

Das quatro, uma

tem os sapatos negros e bebe

limonada; a que está à minha

 

esquerda, maracujá, e não é

Joana ou Marília; e nem

 

Mariana

tem lábios manchados pelo suco

de uva, nem leva

o vestido de bolinhas vermelhas. Isidora

 

não pediu pera: pera

unicamente eu; e disse, ou

pensei: ”como é bom

 

estar aqui e como

que seja agora”. Nessa disposição

 

estou de costas para a rua e não vejo

 

as luzes dos carros que passam pela jardim botânico, mas

 

as cores dos sucos, os

sorrisos, o

 

gosto.–



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 15h54
[   ] [ envie esta mensagem ]




Trecho de Menos que um – livro de ensaios de Joseph Brodsky

 

 

Por alguma estranha razão, a expressão “morte de um poeta” sempre soa mais concreta do que “vida de um poeta”. Talvez porque tanto “vida” como “poeta” sejam palavras quase sinônimas, de tão positivamente vagas. Por outro lado, “morte” – mesmo enquanto palavra – é quase tão definida quanto a própria produção do poeta, ou seja, o poema, cujo traço principal é o derradeiro verso. A obra de arte, consista no que consistir, corre sempre para o final, que define a sua forma e lhe nega a ressurreição. Depois do verso final de um poema não vem mais nada, só a crítica literária. Assim, sempre que lemos um poeta, participamos da sua morte, ou da morte de sua obra.



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 14h21
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
  02/04/2006 a 08/04/2006
  26/03/2006 a 01/04/2006
  19/03/2006 a 25/03/2006
  12/03/2006 a 18/03/2006
  05/03/2006 a 11/03/2006
  26/02/2006 a 04/03/2006
  19/02/2006 a 25/02/2006
  12/02/2006 a 18/02/2006
  05/02/2006 a 11/02/2006
  29/01/2006 a 04/02/2006
  22/01/2006 a 28/01/2006
  15/01/2006 a 21/01/2006
  08/01/2006 a 14/01/2006
  01/01/2006 a 07/01/2006
  25/12/2005 a 31/12/2005
  18/12/2005 a 24/12/2005
  11/12/2005 a 17/12/2005
  04/12/2005 a 10/12/2005
  27/11/2005 a 03/12/2005
  20/11/2005 a 26/11/2005
  13/11/2005 a 19/11/2005
  06/11/2005 a 12/11/2005
  30/10/2005 a 05/11/2005
  23/10/2005 a 29/10/2005
  16/10/2005 a 22/10/2005
  09/10/2005 a 15/10/2005
  02/10/2005 a 08/10/2005
  25/09/2005 a 01/10/2005
  18/09/2005 a 24/09/2005
  11/09/2005 a 17/09/2005
  04/09/2005 a 10/09/2005
  28/08/2005 a 03/09/2005
  21/08/2005 a 27/08/2005
  14/08/2005 a 20/08/2005
  07/08/2005 a 13/08/2005
  31/07/2005 a 06/08/2005
  24/07/2005 a 30/07/2005
  17/07/2005 a 23/07/2005
  10/07/2005 a 16/07/2005
  03/07/2005 a 09/07/2005
  26/06/2005 a 02/07/2005
  19/06/2005 a 25/06/2005
  12/06/2005 a 18/06/2005
  05/06/2005 a 11/06/2005
  29/05/2005 a 04/06/2005
  22/05/2005 a 28/05/2005
  15/05/2005 a 21/05/2005
  08/05/2005 a 14/05/2005
  01/05/2005 a 07/05/2005
  24/04/2005 a 30/04/2005
  17/04/2005 a 23/04/2005


Votação
  Dê uma nota para meu blog