pesa-nervos


René Char por Contador Borges

 

 

 

Devancher

 

J’ai reconnu dans um rocher la mort fugueé et mensurable, le lit ouvert de ses petits comparses sous la retraite d’um figuier. Nul signe de tailleur: chaque matin der la terre ouvrait sés ailes au bas dês marches de la nuit.

Sans redite, allégé de la peur dês hommes, je creuse dans l’air ma tombe et mon retour.

 

 

Antecessor

 

Reconheci numa rocha a morte fugada e mensurável, o leito aberto de seus pequenos comparsas sob o retiro de uma figueira. Nenhum sinal de podador: cada manhã da terra abria suas asas sob as escadas da noite.

Sem redito, alijado do medo dos homens, cavo no ar meu túmulo e meu retorno.

 

 

 

 

(O nu perdido e outros poemas. São Paulo: Iluminuras, 1995)



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 16h26
[   ] [ envie esta mensagem ]




Um olho que olha para dentro

de Sebastião Uchoa Leite

[com imagem de Roy Lichtenstein]

 

Nessa história há um buraco

em círculo por onde se v

a sala toda

e não ninguém dentro

Por onde o herói

espia e não vê

NINGUÉM

O artista (Roy Lichtenstein)

enquadrou a metonímia:

AND THERE´S NOBODY IN IT
o herói repete na tela

Imaginem um círculo menor

onde não se veria mais

todos os ângulos:

como saberia o herói detetive

se havia ou não alguém?

 

 



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 01h20
[   ] [ envie esta mensagem ]




Canção (5) – de Régis Bonvicino

 

O que corta, alivia,

e tenta, e não a vida,

esquecer?

rói a memória tórpida

 

subsolo da noite, sol?

onde se agarram,

no quarto, golpes

o que sustenta

 

a cabeça? vento longevo

um galope de cascos breves

(ecos de)

alfeças quebrando pedras

 

o sono quer dormir

(guardem os martelos)

pesadelo de pisar em áscuas

soltando alfávegas de ferro

 



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 12h25
[   ] [ envie esta mensagem ]




Rondó – por Hans Magnus Enzensberger

 

Falar é fácil.

 

Mas, não se comem palavras.

Portanto, faze pão.

Fazer pão é difícil.

Portanto, torna-te padeiro.

 

Mas, num pão não se mora.

Portanto, constrói casas.

Construir casas é difícil.

Portanto, torna-te pedreiro.

 

Porém, em cima de uma montanha não se constroem casas.

Portanto, transposta a montanha.

Transportar montanhas é difícil.

Portanto, torna-te profeta.

 

Porém, os pensamentos não se ouvem.

Portanto, fala.

Falar é difícil.

Portanto, torna-te o que és

 

e segue murmurando, só para ti,

criatura inútil.

 

 



Escrito por Leão Alves Gandolfi às 00h59
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
  02/04/2006 a 08/04/2006
  26/03/2006 a 01/04/2006
  19/03/2006 a 25/03/2006
  12/03/2006 a 18/03/2006
  05/03/2006 a 11/03/2006
  26/02/2006 a 04/03/2006
  19/02/2006 a 25/02/2006
  12/02/2006 a 18/02/2006
  05/02/2006 a 11/02/2006
  29/01/2006 a 04/02/2006
  22/01/2006 a 28/01/2006
  15/01/2006 a 21/01/2006
  08/01/2006 a 14/01/2006
  01/01/2006 a 07/01/2006
  25/12/2005 a 31/12/2005
  18/12/2005 a 24/12/2005
  11/12/2005 a 17/12/2005
  04/12/2005 a 10/12/2005
  27/11/2005 a 03/12/2005
  20/11/2005 a 26/11/2005
  13/11/2005 a 19/11/2005
  06/11/2005 a 12/11/2005
  30/10/2005 a 05/11/2005
  23/10/2005 a 29/10/2005
  16/10/2005 a 22/10/2005
  09/10/2005 a 15/10/2005
  02/10/2005 a 08/10/2005
  25/09/2005 a 01/10/2005
  18/09/2005 a 24/09/2005
  11/09/2005 a 17/09/2005
  04/09/2005 a 10/09/2005
  28/08/2005 a 03/09/2005
  21/08/2005 a 27/08/2005
  14/08/2005 a 20/08/2005
  07/08/2005 a 13/08/2005
  31/07/2005 a 06/08/2005
  24/07/2005 a 30/07/2005
  17/07/2005 a 23/07/2005
  10/07/2005 a 16/07/2005
  03/07/2005 a 09/07/2005
  26/06/2005 a 02/07/2005
  19/06/2005 a 25/06/2005
  12/06/2005 a 18/06/2005
  05/06/2005 a 11/06/2005
  29/05/2005 a 04/06/2005
  22/05/2005 a 28/05/2005
  15/05/2005 a 21/05/2005
  08/05/2005 a 14/05/2005
  01/05/2005 a 07/05/2005
  24/04/2005 a 30/04/2005
  17/04/2005 a 23/04/2005


Votação
  Dê uma nota para meu blog